<span class="bn">Americanidade, puritanismo <br>e política externa</span><span class="as">Erica Simone A. Resende</span>

Código: 9788577401062
R$ 44,00
Comprar Estoque: Disponível
  • R$ 44,00 Boleto Bancário
  • R$ 44,00 American Express, Visa, Diners, Mastercard, Aura, Hipercard, Elo
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

TÍTULO:

Americanidade, puritanismo
e política externa

RESUMO:

Autor(Erica Simone A. Resende)
Coedição Faperj
ISBN 978-85-7740-106-2
2012, 1ª edição, 368 p., 16 x 23 cm


DESCRIÇÃO:

A Guerra ao Terror é, até hoje, objeto de vasta literatura que busca entender e explicar suas múltiplas dimensões e suas implicações para a política externa norte-americana. Fruto de cinco anos de pesquisa, Americanidade, puritanismo e política externa: a (re)produção da ideologia puritana e a construção da identidade nacional nas práticas discursivas da política externa norte-americana problematiza o papel dos discursos na construção social da realidade, das identidades e dos interesses com o objetivo de compreender as condições de possibilidade da política de segurança de George W. Bush no pós-Onze de Setembro.

Segundo a autora, a Guerra ao Terror somente se tornou possível devido à existência de um discurso de americanidade capaz de dar inteligibilidade à realidade após a crise de significados do Onze de Setembro. Trata-se de um discurso de americanos sobre americanos e sobre a América que, por meio de formações imaginárias criadoras de realidades, sujeitos, objetos, ações e relações, regula o que pode ser pensado, dito, compreendido e concebido com base em uma posição específica em um determinado momento histórico.

O discurso de americanidade exterioriza uma formação discursiva específica – de genealogia puritana – que seria reproduzida nas práticas de política externa norte-americana. Pelo emprego de métodos de análise discursiva, a autora aponta como a Guerra ao Terror reproduz a estrutura de significados, narrativas, mitos e representações dos sermões políticos típicos dos puritanos da América Colonial do século XVII: os "jeremiadas". Apesar da afirmação quanto à separação entre Igreja e Estado, entende-se que os Estados Unidos da América, por meio de suas práticas de política externa, construíram sua identidade nacional como ideologicamente puritana.

 

Erica Simone A. Resende

Com formação multidisciplinar em Direito, Relações Internacionais e Direito, é mestre e doutora em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Professora de Relações Internacionais na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e colaboradora do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Fulbright Scholar desde 2006 e ex-intercambista do Departamento de Estado dos Estados Unidos da América.

 

Sumário ¯     Introdução ¯

 

R$ 44,00
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
  • PagSeguro V2
Selos
  • Site Seguro

Contra Capa Livraria Ltda. - CNPJ: 68.575.083/0001-80 © Todos os direitos reservados. 2021


Para continuar, informe seu e-mail

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência em nosso site. Para saber mais acesse nossa página de Política de Privacidade

Social